Envie uma mensagem
Chat
online
Fale com um consultor
Fale via whatsapp
BLOG

Tudo o que você precisa saber sobre investimento a médio prazo

13/03/2019
ASSINE NOSSA NEWSLETTER:

Na hora de escolher onde investir seu dinheiro, é normal que diversos investidores tenham dúvidas sobre aplicar seus recursos em investimentos a curto, médio e longo prazo. Bom, cada uma dessas opções oferecem vantagens e desvantagens, além de rendimento e tempo de carência diferentes.

O ideal é que o investidor diversifique a aplicação de seu dinheiro, mas caso ele queira escolher apenas uma opção, também pode. Há pessoas que preferem investimentos a curto prazo, pois dão retorno mais rápido, mas por outro lado, oferecem mais riscos para o investidor.

Outros preferem fazer investimento a médio prazo porque é mais seguro e outros preferem aplicações mais longas. Não há um tipo ideal de aplicação, pois a escolha do investimento ideal depende do perfil do investidor. Para pessoas mais conservadoras, as aplicações a médio e longo prazo são as melhores opções, pois são mais seguras.

Embora haja estes três tipos de aplicações, neste post, o foco é falar sobre investimento a médio prazo. Vamos ver o que é, quais são as características e os benefícios desse tipo de aplicação. Acompanhe!

Entenda o que é investimento de médio prazo

Investimento a médio prazo é aquele que pode ser resgatado em um período de dois a cinco anos. Esse tipo de aplicação é ideal para quem tem um objetivo para um tempo determinado. Por exemplo: se você pensa em se casar nos próximos três anos e deseja fazer seu dinheiro render para fazer a festa ou curtir uma viagem de lua de mel, essa opção casa perfeitamente com sua meta.

Mas para que os objetivos sejam alcançados por meio desse tipo de aplicação, é importante que o investidor faça suas aplicações de forma correta, analisando a rentabilidade e a liquidez do investimento escolhido.

Confira as principais características desse tipo de investimento

Uma das principais características de investimentos em médio prazo é o tempo de resgate do título e dos rendimentos proporcionados com sua aquisição, que como já foi citado, varia entre três e cinco anos. Esse não é um período muito curto e nem muito longo, por isso o nome — aplicação a médio prazo.

Outro ponto é que, na maior parte dos títulos de aplicação a médio prazo, o investidor pode escolher se a taxa de juros será pré ou pós-fixada. Na primeira opção, já é possível saber quanto será os rendimentos mesmo antes do resgate do título. No segundo caso, os rendimentos variam de acordo com o tempo de investimento e com o título adquirido.

Os títulos podem ser adquiridos junto a corretoras ou bancos e cada tipo de investimento pede um aporte mínimo inicial, ou seja, não é você quem decide qual o valor mínimo a ser aplicado, pois as instituições já estabelecem um valor. Dependendo do título, é possível começar com uma aplicação modesta, mas nesse caso, os rendimentos também não serão altos.

Quando você aplica seus recursos em um desses tipos de investimento, você recebe os rendimentos na data do vencimento do título, quando você também resgata o dinheiro aplicado.

Conheça os benefícios de investir a médio prazo

O sonho de todo investidor de sucesso é viver dos rendimentos. Bom, isso pode até ser difícil no início, mas não é impossível. Com experiência, boas aplicações, planejamento e disciplina financeira é perfeitamente plausível alcançar esse objetivo.

Mas quais os benefícios de investir em médio prazo? Vamos citar alguns deles agora mesmo!

Segurança

A maior parte dos títulos de renda fixa que oferecem bons rendimentos em médio prazo, têm garantia do Funco Garantidor de Crédito para investimentos até R$ 250 mil. Isso significa que, caso o banco ou instituição financeiro vá a falência, você resgata todo o valor investido, sem problemas, desde que não ultrapasse os R$ 250 mil.

Caso você tenha aplicado um valor superior a este e a instituição vá a falência, será possível resgatar no máximo R$ 250 mil. Mas isso não significa que você não pode aplicar um montante superior a este, pois apesar de o FGC limitar a devolução do dinheiro por CPF, esse limite se refere à instituição bancária em questão, ou seja, caso você tenha aplicações em outros bancos, poderá ter o ressarcimento, desde que não ultrapasse teto máximo.

Retorno rápido

O tempo de retorno desse tipo de investimento também não é muito grande, pois há aplicações que demoram mais tempo para serem resgatadas. Mesmo que três anos pareça ser muito tempo, na realidade não é, pois passa muito rápido. Além disso, alguns títulos oferecem uma taxa de juros interessante, o que torna uma aplicação a médio prazo uma excelente forma de ganhar dinheiro em um período de tempo não muito longo.

Rentabilidade

Alguns títulos oferecem rendimentos de até 100%, dependendo do banco, é claro. Então, se você investe R$ 250 mil em um período de cinco anos e depois de vencido o título, resgata o valor investido acrescido de 100% do valor em juros, é um bom dinheiro, não acha? A caderneta de poupança não é tão rentável, apesar de ser bastante segura e também bem popular entre os investidores brasileiros.

Possibilidade de resgate

Os títulos de renda fixa, que podem ser adquiridos para aplicações em médio prazo podem ser resgatados antes do seu vencimento. No entanto, quando o investidor opta por fazer isso, ele perde um pouco da rentabilidade, visto que a taxa de juros total só é aplicado quando o título é resgatado no final do contrato.

Mas qual a vantagem de resgatar um título e perder parte dos rendimentos? Bom, caso você tenha uma urgência financeira e não tenha de onde tirar de recursos, pode resgatar o título acrescido dos juros do período.

Possibilidade de diversificação de investimentos

Um bom investidor é aquele que tem uma carteira de investimentos diversificada, com aplicações em diferentes instituições e títulos variados. Então, se você está pensando em futuramente viver apenas dos rendimentos de suas aplicações, pode começar aplicando seu dinheiro em formas distintas para fazê-lo render.

Além de escolher títulos diferentes, você ainda pode fazer investimentos com prazos diferentes de resgate. Por exemplo: para receber rendimentos anualmente, aplique seu capital em títulos com vencimentos de três, quatro e cinco anos.

Assim, você vai receber dinheiro sempre e, além de utilizar os ganhos para comprar algum bem, você ainda reaplica parte do dinheiro. Dessa forma, em um período médio de tempo você consegue ter uma renda suficiente para viver com seus investimentos.

Saiba quais são as opções de investimento

Existem diversos tipos de investimento para quem deseja fazer o resgate em um período entre três e cinco anos. Alguns deles são: Certificados de Depósito Bancário (CDBs), as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), entre outras aplicações. A seguir, vamos explicar como funciona cada um deles.

Certificados de Depósitos Bancários (CDBs)

O CDB é um investimento de renda fixa, que oferece um retorno em médio prazo e é bastante seguro. Esse tipo de aplicação rende mais do que a caderneta de poupança e ainda é bastante seguro, pois tem garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), mas até o limite de R$ 250 mil por CPF.

Apesar dos Certificados de Depósitos Bancários renderem mais do que a poupança é difícil definir quanto será o rendimento, pois esse tipo de aplicação oferece uma taxas de juros variadas a cada título adquirido. Além disso, os juros variam de acordo com a instituição financeira, do prazo de vencimento do título, do período de carência e do montante mínimo.

A taxa de juros dos CDBs podem ser pré-fixados com taxas de juros anuais, que são definidas antes da aquisição do título, que é atrelado à variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCI e LCA)

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são modalidades de investimento de renda fixa. Esse tipo de aplicação consiste na compra de títulos de crédito emitidos por instituições financeiras, que visam utilizar os recursos para financiamentos no setor imobiliário e de agronegócio.

Os recursos captados com a LCI para o financiamento de reformas e construção de imóveis. Já no LCA, os recursos são direcionados para a concessão de crédito a agricultores e financiamento máquinas agrícolas.

Nesse tipo de investimento, a instituição financeira paga juros pelo período em que o dinheiro fica aplicado. Em ambos os títulos, o investidor pode escolher entre receber juros pré e pós-fixados. Uma grande vantagem das LCI e LCA é que pessoas físicas ñao pagam imposto de renda os ganhos do investidor, o que aumenta sua margem de lucro.

No entanto, para investir em Letras de Crédito é preciso aplicar um montante mais alto que em outros tipos de aplicação, como CDBs, por exemplo.

Tesouro IPCA+

Esse tipo de aplicação refere-se a um título oferecido pelo Tesouro Direto, um programa de negociação de ativos públicos do Governo Federal. A vantagem desse tipo de investimento é que o aplicador fica protegido contra a inflação e projetar valores em médio prazo com total segurança. Isso porque ele remunera de acordo com a inflação e acrescenta mais um valor em juros.

Com Tesouro IPCA+, a remuneração pode ocorrer no resgate ou a cada seis meses, dependendo do título. Porém, nesse tipo de título há incidência de Imposto de Renda sobre os ganhos, mas quanto mais você deixa seu dinheiro investido, menos paga de imposto para a Receita.

Fundos multimercados

Investir nesse tipo de fundo é uma boa opção para quem deseja rendimentos em médio prazo. Apesar de ele oferecer um pouco mais de risco do que os títulos citados acima, ainda é uma boa escolha para investidores mais conservadores.

Para investir nesse tipo de aplicação, o investidor deve realizar aportes para comprar um determinado número de cotas, pelas quais receberá seus rendimentos.

A grande vantagem dos fundos multimercados é que eles permitem diversificar a carteira de investimentos, ou seja, o dinheiro pode ser aplicado em diferentes ativos, como títulos de renda fixa, ações em empresas, moedas, derivativos e investimentos no exterior.

No entanto, nesse tipo de investimento, você deve pagar à Receita uma porcentagem da fatia recebida dos rendimentos no momento de resgate das cotas.

Imóveis na planta

Comprar imóveis para investimento também é uma boa opção para investidores com perfil conservador. Isso porque imóveis são uma aplicação muito segura e, não há riscos de perder o bem, a menos que o proprietário deixe de pagar os impostos devidos durante um longo tempo.

Nesse caso, os imóveis na planta são a escolha ideal, pois o bem ainda está em fase de construção e por isso, é comercializado por valor bem abaixo de um imóvel pronto. Além disso, imóveis tendem a se valorizar bastante, principalmente se estiverem localizados em uma área privilegiada, tipo da casa ou apartamento, tamanho e diferenciais construtivos, como recursos tecnológicos.

Outros fatores como área de lazer, infraestrutura do local e variáveis econômicas e de mercado estão sempre impactando positivamente o mercado imobiliário, principalmente em períodos os quais a economia está estável.

A grande vantagem de investir nesse segmento é a facilidade de adquirir crédito para financiar o bem com juros atrativos. No caso de um imóvel na planta, as facilidades são ainda maiores, pois o investidor pode pagar o valor referente à entrada durante a obra, ou seja, ele pode parcelar o montante. Então, se o imóvel fica pronto em três anos, você tem todo esse tempo para quitar o valor de entrada.

Veja como escolher o investimento de médio prazo ideal para você

Bom, agora que você já sabe o que é um investimento de médio prazo e seus benefícios, está na hora de saber como escolher o tipo ideal para você. Esse passo é importante para que você não faça uma escolha errada e tenha prejuízos em vez de lucros. A seguir, vamos citar alguns pontos que devem ser levados em consideração para fazer a escolha certa.

Avalie seu perfil de investidor

Embora investimentos em médio prazo sejam bastante seguros, antes de escolher qual deles aplicar seus recursos é importante avaliar seu perfil de investidor. Isso porque, alguns títulos são mais seguros que outros, então, se você é daqueles que busca segurança acima de tudo, o ideal é optar por Letras de Crédito e Certificados de Depósitos Bancários.

Defina seu objetivo

Qual seu objetivo ao aplicar seu dinheiro? Você quer comprar um carro? Uma casa? Aumentar seu patrimônio? Reformar ou comprar um imóvel? Ter uma reserva de dinheiro para emergência ou viver de rendimentos? Ter objetivos claros ajuda você a escolher a melhor opção de investimento para seu caso.

Se você tem interesse em aumentar o patrimônio da família, comprar um apartamento na planta é uma boa opção. Mas se você quer viajar com sua esposa para curtirem uma segunda lua de mel quando fizerem 30 anos de casados, investir em títulos de renda fixa já casa melhor com seu objetivo.

Fique de olho na liquidez

A liquidez de um investimento se refere à facilidade de resgatar seu dinheiro, caso você precise ele para alguma emergência. Explicando em miúdos: quanto mais fácil é fazer o saque de seu dinheiro, mais alta é a liquidez. Nesse caso, podemos exemplificar a caderneta de poupança, que permite retirar dinheiro a qualquer momento.

No caso de títulos de renda fixa, eles não oferecem uma liquidez tão alta, já que é preciso esperar o vencimento do contrato para fazer o resgate. Mas títulos como o CDB podem ser contratados com liquidez diária. Sendo assim, o investidor faz o saque do montante diariamente e receba os juros proporcionais à operação.

Para avaliar a liquidez necessária para seu caso, é importante que você saiba qual seu objetivo e em quanto tempo você precisará daquele dinheiro. Explicando de forma simples: se você pretende trocar o carro em um período de três anos, mas se compromete com um investimento que só poderá ser resgatado em cinco, a coisa fica complicada.

Fique atento à tributação

Como já foi citado ao longo do post, alguns tipos de investimento são tributados. Então, se você não deseja que parte de seus ganhos sejam abocanhados pelo “Leão” é preciso procurar informações sobre quais títulos de renda fixa não há incidência de Imposto de Renda.

A cobrança do IR é feita em quase todos os tipos de investimentos e por isso, antes de escolher uma aplicação é importante analisar se os rendimentos compensam, caso contrário, a Receita ficará com grande parte de seus lucros.

Avalie sua capacidade financeira

Essa é um ponto muito importante é avaliar quanto você pode investir no momento. Alguns títulos de renda fixa não demandam alto valor de investimento, mas é preciso avaliar se vale a pena, pois dependendo do tipo de aplicação escolhida, há incidência de Imposto de Renda. Nesse caso, pode ser que o retorno seja menor que o IR, se você não dispõe de um montante interessante para aplicar.

Ainda assim, não adianta dar um passo maior que as pernas e investir todo o seu dinheiro, pois é sempre bom ter um dinheiro em conta para um possível emergência.

Estude todas as opções de investimento disponíveis e procure ajuda especializada

Mesmo que você já seja um investidor nato é sempre bom ouvir conselhos de pessoas que entendem do assunto, caso você nunca tenha aplicado nos modelos de investimento de médio prazo aqui citados.

Para sanar todas as suas dúvidas, você pode acessar materiais na internet, pois há diversas informações detalhadas sobre cada título e quais são as vantagens e desvantagens de cada um deles. Além disso, antes de escolher qual a melhor opção, o ideal é conversar com profissionais especializados para que eles tirem todas as suas dúvidas e ainda façam uma simulação de quanto seu investimento pode render.

Analise a rentabilidade

Esse é um ponto muito importante — aliás um dos mais importantes de todos — pois o objetivo da aplicação é justamente ganhar dinheiro, certo? Então, antes de escolher um tipo de investimento é preciso procurar o máximo de informações sobre sua rentabilidade.

Claro que, se você optar por um título com taxa de juros pós-fixada, nem sempre isso será possível, pois os rendimentos podem variar, mas ao conversar com um corretor, ele dará as informações necessárias, pois ele já está acostumado com o mercado.

No caso de a taxa de juros ser pré-fixada, já é possível saber qual será o rendimento já no ato da compra, então, fica mais fácil analisar seus ganhos. Não estamos dizendo que esta é a melhor forma de investimento, apenas frisando que é possível saber quanto vai ganhar ao final do contrato.

Avaliar a rentabilidade é fundamental para que você saiba se o tipo de investimento escolhido trará os lucros necessários para você realizar o objetivo que tem em mente.

Como saber qual melhor tipo de investimento de médio prazo

Não há um tipo melhor de investimento, pois cada um deles é ideal para um perfil de investidor. Mas vale ressaltar que, quanto mais alta a liquidez de uma aplicação, menores são as taxas de juros que incidem sobre ela.

Além disso, os bancos e instituições financeiras procuram manter o dinheiro dos investidores o maior tempo possível, pois dessa forma, as empresas lucram mais e ainda dividem uma fatia maior de seus ganhos com seus investidores, pois são eles que financiam essas instituições.

Em muitos casos, além de o investidor pagar Imposto de Renda sobre seus rendimentos, ele ainda tem custos com IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e com taxas de administração de bancos e corretoras. Por isso, antes de escolher uma aplicação é importante saber sobre quais os custos envolvidos para a contratação de cada uma delas.

Como você viu, fazer um investimento a médio prazo é uma boa opção para quem deseja fazer uma aplicação segura e ainda ter bons ganhos financeiros. Opções é o que não faltam, e você pode escolher mais de um tipo de investimento, dependendo dos recursos destinados a este propósito. Mas lembre-se de procurar empresas sérias e bem conceituadas para ajudar nesse processo, pois assim, você evita de jogar dinheiro ao vento.

Gostou do post de hoje quer ler outros conteúdos sobre investimentos a curto, médio e longo prazo? Então assine nossa newsletter para receber novidades quentinhas diretamente em seu e-mail.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER: